Estado Novo em cena: A atuação do interventor João Punaro Bley e a articulação das elites políticas no Espírito Santo (1937-1945)

Nome: Gabriela Loureiro Barcelos
Tipo: Dissertação de mestrado acadêmico
Data de publicação: 26/08/2019
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Ueber José de Oliveira Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Karulliny Silverol Siqueira Examinador Interno
Leandro do Carmo Quintão Examinador Externo
Pedro Ernesto Fagundes Examinador Interno
Ueber José de Oliveira Orientador

Resumo: Esta pesquisa tem por finalidade investigar a atuação do interventor João Punaro Bley durante o Estado Novo, dando ênfase na relação entre interventoria e as elites políticas. Inicialmente buscamos contextualizar a Era Vargas à nível nacional e regional, identificamos o campo intelectual de apoio às reformas estadonovistas, a fim de compreender o aparato intelectual utilizado na práxis política. Ademais, investigamos a recepção do projeto varguista no Espírito Santo a partir de estudos já feitos, além do diálogo com as fontes. Toda a proposta investigativa desse trabalho, foi possível a partir da identificação dos membros dessa elite e os mecanismos de atuação dentro poder estatal. Destarte, buscamos recriar as redes de contato e de ação entre elites e interventoria, compreendendo as repartições públicas como o campo em que essas forças se estabeleceram. Como fonte utilizamos uma documentação ainda inexplorada nos estudos sobre a Era Vargas no Espírito Santo – Fundo de Governadoria do Espírito Santo – radiogramas, telegramas e ofícios, além do manuscrito e entrevistas do interventor, bem como alguns periódicos da época: revista Vida Capichaba e o jornal Diário da Manhã. Diante dessa farta documentação estabelecemos a análise de conteúdo como principal recurso metodológico, além da teoria de redes de sociabilidade para reconhecer as articulações necessárias à readaptação das elites nos espaços de poder e da atuação da interventoria. Nossa hipótese norteou a construção desse trabalho, ela consiste em perceber que parte da elite política, inclusive a de forças contrárias a Vargas, foram realocadas nos espaços de poder, indo na contramão ao discurso de ruptura aos regionalismos, característico do Estado Novo. Quanto aos aspectos teóricos, nos apoiamos, principalmente, nos conceitos: de poder simbólico para compreender a ação entre interventor e elites; campo a fim de perceber as estratégias e recursos utilizados para ocupar os espaços de poder; e elites, conceito fundamental para identificar a origem e a força dos grupos diante de um novo momento na história política brasileira, que foi o Estado Novo.

Acesso ao documento

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910