Defesa de dissertação de mestrado de Rusley Breder Biasutti

Título: Nietzsche contra Nietzsche: linguagem, história e política. Um estudo sobre a Segunda Consideração Intempestiva (1874)

Data de defesa: 21/06/2018
Horário: 14:00
Local: sala 308 do prédio Bárbara Weinberg, CCHN - UFES

Banca Examinadora: Julio César Bentivoglio (Orientador)
Gilvan Ventura da Silva (Examinador Interno)
Ueber José de Oliveira (Examinador Interno)
Marcelo de Mello Rangel (Examinador Externo - UFOP)
 
 

Resumo:

Em 1874, seguindo seu projeto de lançar uma série de textos curtos sob o título geral de Considerações Intempestivas, o filósofo alemão Friedrich Nietzsche publicou a segunda das considerações, subtitulada Da utilidade e desvantagem da história para a vida. Ainda que a recepção da obra não tenha sido significativa entre os historiadores alemães do período, nela, o filósofo, imbuído de seu característico estilo de escrita beligerante, desfere um ataque ao projeto de formação de uma ciência histórica que estava sendo levado a cabo por proeminentes figuras da tradição historiográfica alemã. Apesar dos claros apontamentos e críticas feitos por Nietzsche à cultura historiográfica de seu tempo, surpreendentemente, ainda são poucos os trabalhos que examinam em detalhes o pensamento histórico do autor; e, quando o fazem, tais trabalhos tendem a considerar muito mais seu aspecto filosófico ou epistemológico do que propriamente histórico, desconsiderando o lócus de produção da obra. Desse modo, a tese que orienta nosso trabalho é a de que as considerações da Segunda Intempestiva, não podem ser compreendidas sem que o contexto histórico e a cultura política na qual a obra foi produzida sejam considerados. Só a análise do pano de fundo político e cultural nos permite recolocar as questões que Nietzsche de fato tinha em mente ao escrever a obra. Ao proceder dessa forma, pretendemos demonstrar que, mais do que um ataque a formação da ciência histórica alemã, a Segunda Intempestiva deve ser entendida como uma reflexão da dimensão política da consciência histórica e como uma tentativa de golpear as relações que se estabeleciam entre o Estado nacional alemão que acabara de nascer, em 1870, e o trabalho dos historiadores. O que o filósofo pretende combater, então, é uma excessiva politização do passado, capitaneada por historiadores a serviço do Estado e que tinha como objetivo a elaboração dos mitos de formação que garantiriam à jovem nação a legitimidade histórica necessária para preservação de sua unidade.

 

Acesso à informação
Transparência Pública

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Fernando Ferrari, 514 - Goiabeiras, Vitória - ES | CEP 29075-910